“A força desse país está em sermos majoritariamente cristãos”, afirma Malta

“A força desse país está em sermos majoritariamente cristãos”, afirma Malta A atuação do senador Magno Malta (PR/ES) nos últimos tempos ficou marcada

Ao se tornar evangélico, candidato a vice-presidente republicano rompeu com sua família
Câmara de SP é alvo de críticas por realizar ‘encontros religiosos’ com igrejas
Estudantes fazem oração antes de prestar prova da OAB, no Amazonas

“A força desse país está em sermos majoritariamente cristãos”, afirma Malta

A atuação do senador Magno Malta (PR/ES) nos últimos tempos ficou marcada por sua feroz oposição ao governo da presidente afastada Dilma Rousseff e pelos seus discursos incisivos no plenário do Senado durante os debates do impeachment. Porém, sua atuação política abrange várias outras causas, com destaque ao combate à pedofilia e ao narcotráfico.

Atualmente, atua como presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida, que reúne parlamentares contrários ao aborto. Em seu posicionamento sempre deixou claro que segue os valores cristãos. Evangélico, ele é casado com a cantora Lauriete e também já gravou CDs de louvores.

Durante a campanha de Dilma em 2010, Malta, assim como muitos políticos cristãos, apoiaram a então candidata acreditando nos seus projetos voltados para a área social. Contudo, acabou rompendo com o governo petista pouco tempo depois de ela assumir. Embora tenha assinado uma carta-compromisso se comprometendo a não enviar ao Congresso projetos pró-aborto, Dilma mudou de postura.

Para angariar apoio dos evangélicos, a então candidata dizia ser “pessoalmente contra o aborto”. O tempo mostrou que era “tudo mentira…. Ela usou os evangélicos”, afirmou Malta em entrevista ao Gospel Prime.

Uma das provas mencionadas por ele foi a nomeação de Eleonora Menicucci como ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres. Em seu discurso de posse, ela afirmou que lutaria pela legalização do aborto e manteve sua postura até perder o cargo em abril, junto com os outros ministros de Dilma.

Questionado sobre as mudanças para o país com governo de Michel Temer, o senador do PR afirma que as coisas estão voltando ao normal. “O Brasil é uma nação cristã. Temos o maior número de católicos do mundo”, lembrou. “Esse governo ideológico de minorias queria enfiar [pautas liberais] goela a baixo… Defendiam a ditadura do proletariado”, sintetiza, comemorando o afastamento da presidente.

Para ele, “Não tem volta”. Agora, acredita Malta, a expectativa dos brasileiros em todos os sentidos é de “ dias melhores”. Nesta semana, ocorre em Brasília mais uma Marcha a favor da vida, da qual ele é um dos incentivadores.  O senador entende que sobre esse assunto “Os cristãos vão sempre se levantar, pois o aborto é um acinte contra a natureza de Deus”.

Como político, entende que o debate continuará acontecendo, mas que a legalização não deverá passar. Explica que a Frente em Defesa da Família e Apoio à Vida reúne conservadores, não apenas os evangélicos. Ele é o relator do projeto de legalização do aborto e explica que já fez seis audiências públicas, mas seu parecer foi contrário.

Assevera ainda que a defesa da vida não é propriedade dos evangélicos. “A força desse país é sermos majoritariamente cristãos”, sentenciou. Entende que o fracasso do governo petista servirá para aumentar o número de parlamentares que defendem as agendas conservadoras.

Finalizou lembrando que a nova gestora da Secretaria de Políticas para Mulheres, a ex-deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) não concorda com a descriminalização do aborto. Evangélica, ela já se manifestou contra o procedimento inclusive em casos de estupro, o que é permitido por lei no Brasil desde 1984.

Fonte: Gospel Prime

COMMENTS